abril 13, 2009

Nas paredes do quarto, apenas musgo. Um cheiro fétido de coisas guardadas. Objetos esverdeados pelo mofo. Tudo já degradado, tudo velho, antes mesmo do tempo. No centro do quarto, minha cama. De madeira apodrecida, nem sei como ainda se mantém de pé. No centro da cama, meu corpo. Dilacerado, aberto por feridas em carne viva. Repleto de nódoas roxas e amarelas. De furúnculos. Meu corpo carcomido pela ancestralidade do quarto. Impossibilitado de se movimentar. No centro do corpo, a máquina de escrever. O teclado quase todo apagado, a tinta por acabar. Minhas mãos enxovalhadas pelo sangue seco teclam, uma a uma, as letras que escrevo.

A chave da casa, de Tatiana Salem Levy

2 comentários:

Rafael Terra disse...

amoooooooo =0

Lu Thomé disse...

Rafael: eu tamém... Tenho até ficado chata, de tanto que falo para as pessoas desse livro! hehehe

Beijos!