maio 03, 2007

O mundo é guiado pelo acaso. A contingência nos persegue todos os dias de nossas vidas, e essas vidas podem ser tiradas de nós a qualquer momento - sem nenhuma razão. Quando Flitcraft termina seu almoço, conclui que não tem escolha senão submeter-se a esse poder destruidor, e pôr abaixo sua vida por meio de algum ato sem sentido, inteiramente arbitrário de autonegação. Vai combater fogo com fogo, por assim dizer, e sem se dar ao trabalho de voltar para casa, nem se despedir da família, sem se dar ao trabalho nem de tirar dinheiro do banco, levanta-se da mesa, vai para outra cidade e começa a vida toda de novo.

Noite do Oráculo, de Paul Auster

8 comentários:

Moni Thomé disse...

Outra cidade?!!! Hehehe...

Saudades... sempre... beijos...

...Mano...! disse...

Putz, achei que a criatura ia se matar...
Caramba!

Achei que a Lukas tava começando a virar emo...
Hahahahahahaha!!!
=P

Saudades, Lukinhas!
Beeeeijo!

Mari Thomé disse...

Queria comecar a vida dentro de mim, antes de me mudar :P
Alguem tem uma receita?

Beijos Lu, Moni e Mano!!

Trevas disse...

Esse foi o livro que abriu meu mundo para o Paul Auster. E entendi, melhor que nunca, a força das metáforas. Adoro ele. Terminei de ler a pouco o Livro das Ilusões, muito bom! Bjs, Tati

Lu Thomé disse...

Os comentários são uma pérola, maninhos... hehehehe.

Tati, não sei. O livro me agradou, me desagradou, me agradou, me desagradou de novo. Não vou desistir do autor. Me falaram bem do Livro das Ilusões. Vou procurar!

Beijos!

andreia disse...

lulu, muitas saudades!! aqui nesta outra cidade, tudo e tao lindo, tao lindo...
kafka manda um abracao pra ti!!
muitos beijos!!

Lu Thomé disse...

Déia!! Que saudade de ti! Que saudade de conversar contigo!!! PRAGA!!! Que lindo! por favor, traz um Kafka pra mim! Traz!!!!!!

Beijos e me dá notícias logo!!!!!

Ophélia disse...

Adoro Paul Auster, quero ler...
Super metáfora.