novembro 30, 2007

Ontem, aconteceu o primeiro evento de fim de ano. Toda aquela coisa tradicional... Reunião de amigos, colegas, conhecidos, familiares. Esse, no entanto, trouxe uma pitada especial e (pra mim) inédita. O encontro agregou o pessoal do seminário de literatura que faço todas as quintas-feiras. E o presente de Amigo Secreto: escrever um texto sobre o tema "O que desejo para o meu amigo em 2008".

Acompanhem, abaixo, o texto que eu ganhei de presente do Samir. Fiquei emocionada... Porque eu me vi nas linhas. Como se fosse um espelho. Tem várias referências sobre mim que ninguém vai entender. Mas que o Samir percebeu com maestria. Obrigada, amigo!

"Uma exclamação não é o bastante. São preciso muitas, quatro ou cinco, para dar a ênfase desejada. Os dedos correm pelo teclado enlouquecidos, digitando e falando e pensando muitas coisas ao mesmo tempo. Tempo que falta. Que faz falta quando não vem. Que quando vem, o texto sangra. E chora e grita e corre. Vísceras expostas, começa a limpeza. O texto renasce, curto e direto, como quem o escreve.

Um amigo que não cabe num parágrafo, mesmo quando é baixinho. Não se pode colocar a pessoa num parágrafo, mas você pode tentar colocar o parágrafo dentro da pessoa, fazer com que ela o leve consigo. A única coisa que se pode desejar a um amigo é que continue sendo tudo aquilo que o faz ser o que é."

2 comentários:

Larissa Bitencourt disse...

PASSEANDO PELA INTERNET EU ACHEI ESSE POEMA (SERIA POEMA?) - LINDO, PARABÉNS A ESSE TAL SAMIR.

Lu Thomé disse...

Quase um poema mesmo, Larissa. Sou fã do cara... heheheheh

Beijos!