outubro 12, 2007

Como agir frente a uma injustiça? Eu chorei. Chorei muito para ver fora de mim tudo o que eu estava sentindo. E que fosse rápido. Então, chorei mais forte e constante. Porque dói mais (pelo menos para mim), quando sofro as conseqüências de atos impensados de pessoas que eu não conheço bem, e que sequer sabem como eu sou, como gosto do meu café ou que tipo de coisas faço da minha vida. Dói mais quando envolve a tua posição como profissional. Mas o mundo é vil. Eu sei. Fácil (ou juvenil...) eram as brigas no colégio por questões tão bobas que hoje se ri. Não perco a esperança no mundo, mas também não pretendo mais virar as costas para pessoas ruins (ruins mesmo... nesse caso uma bruxa, infeliz, que deve ter uma vida miserável e que, para escapar da própria "in"competência, mentiu e fez com que jogassem os sacos de culpa nas minhas costas). Enfim, não vou me lamentar. Porque eu tenho amigos fiéis. Pessoas que toparam virar a madrugada comigo trabalhando, para jogar goela abaixo os desaforos. Tudo de volta. E que sensação de alívio. Mais do que vingança, me satisfaço com o dever cumprido. E bem cumprido. E vamos aos livros. Algo que tem me dado verdadeiro prazer nas últimas semanas...

4 comentários:

Sujeito Oculto disse...

Você já está se lamentando. É como dizer "sem comentários". Isso é um comentário.

Lu Thomé disse...

Lamento ou não lamento, realmente não importa. Preciosa é a vontade de mudar. E mais ainda a capacidade de reconhecer que se quer mudar. Preciso realmente parar de dar importância a pessoas sem importância. Olha! Um quase lamento!!! De novo!!! Ainda falta caminho a percorrer... Sei disso.

Nessita! disse...

sempre há pessoas assim, infelizmente. mas não podemos nos deixar abater, mesmo que injustiças aconteçam. minha maior crençea de todas é que o mundo não pode ser tão injusto. e quem não respeita os outros ainda vai colher a tempestade que planta. grande beijo!

Lu Thomé disse...

Nessita: eu também quero acreditar muito nisso... Beijos!!!!