janeiro 10, 2008

Nas ruas de Porto Alegre, noite instalada. Quatro pessoas no carro preto rodando sobre quatro rodas. Da conversa solta, surge a discussão filosófica pertinente: por que carros modernos e incrementados ainda possuem um puta-merda? Quem anda de carro segurando no puta-merda? Quem, afinal de contas, resolveu dar o nome de puta-merda à inocente alça plástica? E, finalmente, por que o ato de explicar a denominação do objeto sempre vem acompanhada da encenação de alguém que "pressente-que-o-carro-vai-bater, segura-no-puta-merda e grita-puta-merda"? Era só o que eu queria saber.

5 comentários:

Ana disse...

Lu! Posso responder algumas questões da tua discussão filosófica:
1º) Eu seguro no puta-merda. Principalmente quando utilizo o "freio imaginário" do banco do carona.
2º) A denominação puta-merda, pode ter vindo do meu pai...isso mesmo! Pois lembro claramente quando com meus 7 ou 8 anos, ele me explicou tintim por tintim a origem da alça plástica.

E para contribuir um pouco mais com a discussão...eu chamo o puta-merda de puta-merda pois sempre bato a cabeça nele. Mas isso é normal....se trata da Ana né? hehehehe

Beijos!!!!

Moni disse...

tem lendas que nunca esquecemos... como por exemplo manga com leite.

:)

Samir disse...

O puta-merda faz parte de uma escala de medo do carona: em estado normal, braços soltos, em estade de alerta, agarra-se no braço da porta, em estade de pânico, segura-se no puta-merda.

Eu sempre seguro no puta-merda, dependendo de quem dirige o carro.

Abraços,
Samir

Mari Thomé disse...

Eu só sei que náo existe nome melhor...
Não concorda??
Hehehe

Lu Thomé disse...

Ana: hahahahahahahahaha... Sim, tudo é aceitável quando se trata da Ana!

Moni: mas o puta-merda é uma lenda especial! hehehehehe

Samir: agora fiquei tentando me lembrar se tu segura o puta-merda quando anda de carro comigo? hehehehehe

Mari: concordo... Concordo, sim!

Beijos!